Crescimento

Afinal, quais análises empresariais preciso fazer no final do ano?

Escrito por Grupo Fatos

Com a aproximação do final do ano, muitas organizações já começam a realizar as análises empresariais, identificando os pontos que foram positivos — e que devem ser mantidos para o próximo ano —, bem como as oportunidades de melhoria, que precisam ser corrigidas rapidamente.

Essa é uma ação vital para a sobrevivência da organização, visto que, sem análise, as chances de realizar um planejamento efetivo são mínimas. O fato é que, sem um plano, a empresa estará à deriva e será lançada de um lado para o outro sem se antecipar aos problemas, não é mesmo?

No entanto, toda empresa gera uma infinidade de dados ao longo do ano. E se não é viável verificar cada ação, o que é preciso considerar então? Para te ajudar nesse processo, elencamos neste post 6 análises imprescindíveis para realizar no final do ano. Confira abaixo!

1. Análise de negócios perdidos

Essa é  a primeira análise a ser feita. Para iniciar um novo ano com a certeza de melhores negócios, o empresário deve estudar tudo que não funcionou no passado para não repetir no futuro.

É importante calcular o valor total dos negócios que foram perdidos durante o ano e comparar com o número potencial que o mercado oferecia. A partir disso será possível ter uma ideia do quanto a companhia foi impactada financeiramente.

Logicamente, isso é só o primeiro passo. Depois, você precisará se aprofundar em análises mais detalhadas e entender fatores como:

  • se o não fechamento de um negócio impactou diretamente na perda de outros;

  • se o cliente perdido passou para concorrência, fortalecendo empresas rivais;

  • quais os tipos de negócio com maior número de perdas;

  • se a saída foi por erros operacionais de sua organização ou por fatores econômicos do cliente;

  • se a empresa estaria disposta a voltar a fazer negócios com a empresa.

2. Análise do cumprimento do Planejamento Estratégico

A mensuração dos resultados obtidos — ou não — com o cumprimento do Planejamento Estratégico também é uma etapa que deve fazer parte das tarefas na conclusão de um ano. É como se no fim de uma viagem você verificasse se todas as coordenadas que prescreveu no início te ajudaram, atrapalharam ou não fizeram nenhuma diferença para a sua chegada.

Provavelmente você não conseguiu atingir todos os objetivos, assim como deve ter superado outros. Dessa maneira, você pode analisar essa etapa a partir de duas frentes:

Examinar se as atividades foram cumpridas dentro dos parâmetros

Durante a criação do planejamento estratégico, alguns parâmetros são definidos para cada meta traçada, como:

  • custos gerais;

  • material humano necessário;

  • recursos financeiros;

  • tempo de execução;

  • retorno do investimento (ROI).

No final do ano, o gestor pegará cada um desses parâmetros e analisará se tudo que foi desenvolvido ficou dentro dos limites determinados. Assim, ele terá dados concretos para aplicar mudanças e ser mais preciso ao estabelecer as metas do próximo ano.

Identificar se os objetivos foram alcançados e quais os problemas encontrados

Essa análise é o que confirmará se as equipes conseguiram alcançar os objetivos estabelecidos no planejamento estratégico e quais os problemas que surgiram durante o caminho.

Para que o estudo seja feito de forma correta, é interessante a comparação de dados de desempenho com os padrões definidos no início do ano. Assim será possível visualizar os gargalos ocorridos durante este período.

Verificado que um determinado problema impactou negativamente a maior parte do que foi planejado, a empresa deve criar um projeto específico para o tema, pois a sua resolução aumentará significativamente os resultados positivos.

3. Análise de leads e clientes convertidos

Os leads contribuíram diretamente para vendas? Eles trouxeram resultados reais para a empresa? O faturamento teve um impacto positivo real com a conversão dos leads?

Ter a resposta dessas perguntas é necessário para se certificar de que a empresa aproveitou as oportunidades ao máximo. Afinal, pensando no processo completo de vendas, captar os leads — potenciais clientes — é apenas o primeiro passo que precisa ser seguido por ações complementares para efetivar a venda.

Fazer esse cruzamento de informações mostrará qual taxa de conversão da empresa ajudará no cálculo do custo de aquisição por cliente, e mostrará qual etapa precisa de mais atenção para melhorar os resultados.

4. Análise de mercado futuro

A análise de mercado é o estudo de dados ligados ao segmento de atuação da empresa, uma das atividades essenciais para o sucesso do negócio. A análise futura segue basicamente a mesma fórmula, só que com uma perspectiva à frente, realizando uma estimativa para as mudanças do mercado no próximo ano.

Isso engloba levantar informações como:

  • dados sobre o contexto e segmento da empresa;

  • distribuição de público-alvo;

  • relação com fornecedores;

  • concorrência;

  • mudanças de processos;

  • surgimento de novos equipamentos;

  • inovações tecnológicas;

  • tendências de designer e embalagens.

5. Análise de lançamentos efetivos

Toda empresa deve possuir um produto que seja o seu “carro-chefe”, ou seja, a sua garantia de vendas. No entanto, ainda que tenha uma mercadoria que se converta facilmente em lucro, a inovação ainda é necessária. Assim, ao final de cada ano é preciso analisar como foi a inserção das inovações e a aceitação dos lançamentos.

Lembre-se, porém, de comparar o desempenho de um produto novo com o do seu item principal. Todo novo produto para por um ciclo até atingir grandes resultados. Dessa forma a sua análise deve ser individual, levando em conta fatores como público-alvo, volume de venda, preço e região. Assim ficará mais fácil a análise da efetividade.

6. Análise de produtividade

Outro item que não pode ser esquecido nas análises empresariais é a produtividade, afinal, a melhoria contínua deve fazer parte da cultura de toda empresa.

Então, uma ótima dica é realizar um comparativo do que era esperado e o que foi produzido de fato. É importante ter uma visão macro, mas também é preciso ter os dados por setores.

Essa análise não apenas servirá para saber como foi o desempenho da empresa, como também ajudará na criação de planejamentos e estratégias para o ano seguinte — visando sempre o aumento de produtividade das equipes.

As análises empresariais são fundamentais para apontar os pontos fortes e fracos da organização, além de identificar oportunidades e ameaças. Ela também permite a criação de estratégias mais robustas e precisas, além de determinar onde devem se concentrar os investimentos e esforços para levar a empresa ao resultado desejado. Siga as dicas apresentadas e alavanque o resultado de sua empresa em 2018.

Agora que você já descobriu a importância das análises empresariais saiba como a consultoria tributária ajuda a reduzir gargalos de custos.

Sobre o autor

Grupo Fatos

Com mais de 25 anos de mercado e um atendimento de excelência, nos tornamos um Centro de Apoio ao Empreendedor, estruturado em unidades de negócios de diferentes áreas (Contabilidade, Consultoria, TI, Financeiro e RH), com soluções corporativas que permitem potencializar o futuro de nossos clientes.

Deixar comentário.

Share This