Finanças

3 pilares de gestão de pessoas que vão impactar no seu negocio

Escrito por Grupo Fatos

Antigamente, as empresas estavam repletas de chefes que apenas supervisionavam, coordenavam, gerenciavam e dirigiam. Naquela época, esses profissionais se preocupavam apenas em dar ordens. Com o passar do tempo, a gestão de pessoas ganhou cada vez mais espaço e relevância.

Razões para isso não faltam. Afinal, uma boa gestão de pessoas é essencial para que a empresa valorize e potencialize o desempenho do seu bem mais precioso: os colaboradores.

Essa gestão eficaz é composta de 3 pilares, que vão muito além do aspecto motivacional, por exemplo. Continue a leitura para conhecer cada um deles!

1. Motivação

Talvez o principal pilar da gestão de pessoas, a motivação é algo primordial para qualquer indivíduo, em todas as fases da vida. No meio empresarial, isso não é diferente. Como a motivação está intimamente ligada ao comprometimento, ela influencia diretamente o desempenho de cada colaborador.

Desmotivado, o funcionário jamais alcançará o nível de excelência esperado pela empresa. Além disso, a desmotivação está aliada à alta taxa de turnover, medidor que apresenta a rotatividade de trabalhadores em cada organização.

Com isso, surgem dois problemas imediatos: o primeiro se refere à baixa produtividade do colaborador; já o segundo remete à substituição contínua de funcionários  algo extremamente oneroso para qualquer empresa.

Ao ponderar tudo isso, o gestor de pessoas precisa conhecer qual é o motivo que leva todas aquelas pessoas a permanecerem na empresa. E essa motivação coletiva costuma se ramificar em: bons salários, identificação com a Missão e a Visão organizacionais, e a existência de um sólido plano de carreira. Há até quem se sinta muito motivado por conta dos desafios diários vivenciados dentro da companhia.

Existem algumas medidas práticas que a organização precisa considerar para lidar melhor com esse aspecto motivacional. Ao estabelecer um planejamento de gestão de pessoas, é fundamental respeitar as diferentes motivações de cada colaborador.

Desse modo, é válido:

  • apresentar metas coletivas e individuais: uma causa frequente de desmotivação são aqueles ambientes confusos, onde o colaborador precisa praticamente “adivinhar” o que precisa ser feito. Diante disso, é aconselhável manter certo equilíbrio. A apresentação de metas claras, precisas e objetivas ajuda a resolver o problema;
  • realizar feedbacks: outro fator preponderante para alavancar a motivação dos funcionários é a realização periódica de feedbacks. Esses retornos são úteis tanto nos piores quanto nos melhores momentos do funcionário;
  • premiar os melhores: os colaboradores que se destacarem ao longo de um mês ou semestre devem ser recompensados por isso. Além dos tradicionais bônus em dinheiro, vale a pena pensar em premiações mais criativas, que vão desde ingressos para festivais musicais e apresentações de teatro até passagens aéreas.

2. Trabalho em equipe

Os melhores resultados são conquistados mediante o esforço individual devidamente compartilhado com a equipe de trabalho. Esse trabalho, por sua vez, precisa ecoar pelos demais departamentos da empresa.

Dessa forma, todos se sentirão valorizados, cientes de que executam tarefas vitais para o sucesso da companhia.

Para aprimorar a qualidade do trabalho em equipe, considere aplicar as seguintes ações:

  • implante um programa de compartilhamento de tarefas: pode parecer só um detalhe, mas o uso desse tipo de software otimiza — e muito — as tarefas que precisam ser concluídas por cada funcionário.

Por meio do programa, é possível visualizar quais tarefas estão pendentes, em andamento ou já concluídas. Além disso, também é possível inserir o responsável por cada uma delas.

Assim, caso surja algum atraso fora do esperado, basta contatar o colaborador para, inclusive, ajudar a resolver o problema.

  • realize reuniões: por mais práticos que os programas mencionados há pouco sejam, as reuniões presenciais ainda são indispensáveis. Nelas, as principais arestas podem ser aparadas diretamente e sem erros de interpretação.

Para acabar com qualquer “ruído” entre a comunicação de vários grupos, convém estabelecer reuniões semanais ou quinzenais. Quanto mais rápida, objetiva e produtiva for a reunião, melhores serão os resultados obtidos por cada equipe e pela empresa, como um todo.

3. Treinamento

O treinamento é um pilar inteiramente conectado ao primeiro: a motivação. Um colaborador que não recebe oportunidades regulares para aperfeiçoar as próprias habilidades acaba se desmotivando.

Vinculados ao pleno desenvolvimento dos colaboradores e, consequentemente, da empresa, os treinamentos devem ser contínuos e eficientes. O objetivo é o aprimoramento e a otimização das tarefas executadas pelas equipes, e não o cansaço. Portanto, cada treinamento precisa ser muito bem planejado.

Quando há equilíbrio, o funcionário se torna um profissional bem mais evoluído. Assim, é natural que a empresa comemore excelentes resultados e, simultaneamente, mantenha seus colaboradores felizes e satisfeitos.

Antes de introduzir treinamentos na sua empresa, leve os seguintes pontos em consideração:

  • selecione os treinamentos mais cobiçados: para isso, basta ouvir o que os colaboradores têm a dizer sobre o assunto. Após uma pesquisa de opinião, os gestores receberão variadas sugestões. A partir daí, eles conhecerão as expectativas de cada colaborador.

O ideal é que esses treinamentos sejam balanceados entre aqueles mais técnicos e os comportamentais. No primeiro caso, o objetivo é apresentar cursos voltados à utilização de determinados programas computacionais ou equipamentos.

Na segunda situação, estão elencados os treinamentos direcionados às habilidades interpessoais, como a capacidade de argumentação em uma negociação com fornecedores ou clientes.

  • use uma planilha de treinamentos: o objetivo dessa planilha é manter uma boa organização e a regularidade dos treinamentos. Além disso, com ela, é possível saber quais assuntos já foram abordados pelos cursos. Assim, o gestor evita a repetição de um treinamento que já foi aplicado há pouco tempo.
  • conte com o apoio dos próprios colaboradores: nunca é demais ressaltar que alguns (ou grande parte) desses treinamentos podem ser aplicados pelos colaboradores da própria companhia.

Um bom gestor de pessoas conhece muito bem os funcionários da empresa. Logo, ele saberá identificar e convidar possíveis talentos para ministrar treinamentos.

Esse é um detalhe a ser bem observado, pois também influencia na motivação do colaborador, que se sentirá muito mais valorizado dentro da organização.

Como você pode perceber, existem muitas razões para que a gestão de pessoas seja tratada como um diferencial dentro da sua empresa. Com a aplicação desses 3 pilares, certamente o desenvolvimento dos colaboradores e da organização só tende a melhorar!

Gostou das dicas? Compartilhe-as agora mesmo com seus amigos nas redes sociais!

Sobre o autor

Grupo Fatos

Com mais de 20 anos de mercado e um atendimento de excelência, nos tornamos um Centro de Apoio ao Empreendedor, estruturado em unidades de negócios de diferentes áreas (Contabilidade, Consultoria, TI, Financeiro e RH), com soluções corporativas que permitem potencializar o futuro de nossos clientes.

Deixar comentário.

Share This