Finanças

Gestão financeira empresarial: 8 sinais de que ela está indo mal

Escrito por Grupo Fatos

A gestão financeira empresarial é um dos principais fatores que definirão se a sua empresa será bem-sucedida, pois ela impacta todos os aspectos do seu negócio. Só uma gestão eficiente possibilita arcar com todos os compromissos e, ao mesmo tempo, realizar novos investimentos para fazer com que a empresa cresça e se destaque.

Existem alguns problemas que podem colocar em risco o bom funcionamento do seu negócio. Foi pensando nisso que resolvemos escrever este artigo para mostrar a você 8 sinais se ele está indo mal e como solucionar esses contratempos. Quer saber mais? Confira! Boa leitura!

1. Quedas seguidas de faturamento

Tudo o que você vende em seu negócio precisa ter uma margem de lucro, certo? Por isso, se sua empresa vem sofrendo com quedas seguidas no faturamento, o problema pode estar na precificação dos seus produtos.

A precificação incorreta pode se dar por diferentes motivos, seja para tentar “bater” os preços da concorrência ou simplesmente porque o empresário não sabe calcular o seu próprio lucro.

No entanto, não é só isso que justifica as quedas de faturamento. Também é preciso observar se, porventura, os fatores externos estão proporcionando esse resultado negativo para a empresa — talvez isso seja um reflexo da situação econômica do país ou da mudança de hábito de seus consumidores, por exemplo.

O ideal é que, em um primeiro momento, você identifique o que tem provocado a queda do seu faturamento e, em seguida, crie estratégias para driblar essas situações difíceis — isso ajudará a recuperar a sua lucratividade.

2. Pedidos constantes de empréstimos

Se a sua empresa precisa recorrer constantemente aos empréstimos bancários, esse é mais um sinal de que ela está com sérios problemas financeiros. Afinal, os juros e as taxas administrativas dos empréstimos são extremamente altos e fazem com que você aumente suas dívidas em vez de quitá-las.

Essa é uma atitude que compromete demais as finanças do seu negócio: com tantos juros para pagar, a empresa não tem dinheiro para realizar novos investimentos e crescer.

Para solucionar esse problema é interessante que você analise outras soluções — como antecipar seus recebíveis, por exemplo. Assim, você resolve grande parte de seus problemas financeiros e não acumula dívidas.

3. Finanças pessoais e empresariais misturadas

Esse erro é muito comum entre os empresários, cometido até mesmo pelos mais experientes. Misturar as finanças pessoais e empresariais é uma falha muito séria, pois essa atitude auxilia na falta de controle financeiro e faz com que você não saiba quanto tem disponível em caixa, graças às retiradas esporádicas de dinheiro.

O correto é criar um pró-labore para você e organizar as suas finanças pessoais de acordo com o valor que você vai receber no final do mês. As demais quantias em caixa devem ser direcionadas para os compromissos da empresa e novos investimentos.

4. Títulos encaminhados para o cartório de protestos

Quando um título é encaminhado para o cartório de protestos de títulos, muitos valores são incluídos na dívida — além dos juros e taxas de praxe. Porém, nem todos esses valores vão para o credor, ok? Funciona assim: um título protestado sofre as alterações dos juros e taxas que foram impostos no momento da realização do contrato.

Depois disso, o banco encaminha o título para o cartório distribuidor, onde será cobrado o valor da distribuição do protesto — este é calculado sobre o valor protestado. Em seguida o título é encaminhado para o cartório de protestos, onde serão cobradas todas as despesas cartoriais — inclusive as do oficial que vai entregar a intimação ao devedor.

Todas essas cobranças são permitidas por lei e são obrigatórias. Por isso, é de suma importância que você dê preferência para quitar esse tipo de dívida o quanto antes, para que elas não se acumulem e comprometam seu orçamento.

5. Atraso no pagamento dos impostos

Imposto é coisa séria. Não tem como fugir, você precisa pagar — caso contrário, seu negócio corre sérios riscos de falir. Quando a empresa deixa de efetuar o pagamento dos impostos, os juros aumentam e se torna cada dia mais difícil quitá-los.

Em consequência disso, é provável que a empresa seja executada judicialmente, correndo o risco de ter seus bens penhorados e leiloados. Caso o patrimônio penhorado não satisfaça o valor da dívida, o empresário e seus sócios serão incluídos no processo e também podem perder seus bens.

Portanto, se a sua empresa possui dívidas com impostos, procure a autarquia credora o mais rápido possível e parcele o seu débito.

6. Descontrole do fluxo de caixa

Não ter o controle sobre o fluxo de caixa da sua empresa é muito perigoso, pois você pode contrair dívidas que não vai conseguir pagar futuramente. A solução para esse problema é contar com a tecnologia e livrar-se de controles manuais que dão muita margem ao erro.

Porém, é preciso também ter disciplina para manter tudo em ordem e não deixar de cadastrar nenhum valor. As vantagens da tecnologia é que ela fornece relatórios precisos das suas finanças, auxiliando na tomada de decisão.

7. Estagnação nas vendas

Caso você observe que suas vendas não estão acompanhando o crescimento do mercado — ou pior, que estão diminuindo —, esse é um sinal de que suas estratégias precisam ser revisadas urgentemente.

O problema pode ter origem nas estratégias de marketing, na falha de captação de novos clientes, no posicionamento da marca ou na análise do produto. Antes de tudo, verifique onde a imprecisão está para, em seguida, rever seus métodos e alterá-los conforme a necessidade dos seus clientes.

8. Uso do cheque especial

O uso do cheque especial é uma das ações mais caras do mercado. Afinal, seus juros são extremamente altos e, caso você não consiga pagá-los, a dívida pode se multiplicar muito rapidamente.

Portanto, antes de recorrer ao cheque especial, reveja todo o seu planejamento financeiro e o fluxo de caixa para encontrar outra solução e evitar essa opção ao máximo.

A gestão financeira empresarial é a base de qualquer negócio. Todos os departamentos da empresa dependem dela e é por isso que ela deve ser administrada impecavelmente. Não deixe nenhuma dívida para trás e resolva os seus problemas financeiros com a maior brevidade possível.

Somente assim sua empresa poderá crescer segura e livre de preocupações.

Gostou do nosso artigo? Que tal saber como fazer um correto Planejamento Financeiro? Criamos um ebook que com certeza vai lhe ajudar!

Sobre o autor

Grupo Fatos

Com mais de 25 anos de mercado e um atendimento de excelência, nos tornamos um Centro de Apoio ao Empreendedor, estruturado em unidades de negócios de diferentes áreas (Contabilidade, Consultoria, TI, Financeiro e RH), com soluções corporativas que permitem potencializar o futuro de nossos clientes.

Deixar comentário.

Share This