Finanças

Saiba como organizar o fluxo de caixa da sua empresa

Escrito por Grupo Fatos

Na gestão financeira da sua empresa é essencial buscar ferramentas que otimizem a sua organização, permitindo um bom planejamento e auxiliando na tomada de decisão. Nesse sentido, uma das mais indicadas é o fluxo de caixa.

No post de hoje, você vai entender como organizar o fluxo de caixa da sua empresa, algumas das suas principais características e o que é necessário observar para turbinar o uso desta ferramenta na gestão do seu negócio. Acompanhe!

1. Entenda o fluxo de caixa

Entender o fluxo de caixa é um dos primeiros passos para o sucesso de sua implementação. Os registros devem contar com os saldos das contas-correntes e das aplicações de curto prazo ou de fácil resgate, que são conhecidas como equivalentes de caixa. Esses valores deverão ser relacionados, já que podem ser facilmente convertidos em dinheiro.

As entradas também fazem parte dessa ferramenta e representam os recebimentos de uma empresa, seja pela venda de produtos ou serviços. Além disso, devem ser contabilizadas as saídas, ou seja, os desembolsos relativos aos pagamentos por compras feitas, salários de funcionários, contas de consumo de energia elétrica, água, telefonia e internet, impostos, entre outros.

2. Implemente o fluxo de caixa

É preciso compreender a implementação de uma ferramenta de fluxo de caixa. Contando com o auxílio de uma planilha eletrônica ou software de gestão integrado, é preciso registrar toda a movimentação financeira do período.

Após o devido registro, deverão ser comparados os saldos iniciais de caixa e equivalentes, mais as entradas menos as saídas, o que indicará qual é o fluxo de caixa do período. Este valor é o saldo disponível que sua empresa possui para investir ou gastar de acordo com as suas necessidades.

3. Escolha um período para iniciar seus registros

Para que o seu fluxo de caixa seja implementado, é necessário definir uma data para o início dos registros, ou seja, uma data de corte. A partir desse dia, toda a movimentação financeira, incluindo suas disponibilidades em dinheiro e aquelas que estão em suas contas bancárias, deve ser registrada.

Além disso, desse momento em diante, deve-se estar atento para o registro de toda a movimentação de entrada e saída, independentemente de seu valor. Aqui é importante registrar mesmo os valores que pareçam insignificantes, já que no final do período apurado eles podem causar um grande impacto em suas finanças.

4. Separe as finanças pessoais das empresariais

Separar as finanças pessoais das empresariais é uma regra básica para a implementação do fluxo de caixa. Para que tal separação seja mais efetiva, é preciso criar e utilizar contas-correntes, cartões de crédito e débito separados, o que ajuda a evitar a confusão patrimonial.

Isso é necessário para que você saiba como estão suas finanças de maneira bastante clara e precisa. Além disso, serve para que haja uma noção clara de quanto realmente existe de recursos disponíveis ou se há a falta deles em sua organização.

5. Seja detalhista

Ser detalhista no fluxo de caixa, além de organizar as suas finanças, ajuda no seu planejamento financeiro. Isso ocorre porque um fluxo de caixa bastante detalhado vai fornecer o máximo de informações possível, caso seja necessário consultar ou entender algum dos lançamentos que foram realizados.

O detalhamento também auxiliará na elaboração das categorias de despesas e receitas. Estas são essenciais na hora de fazer uma análise gerencial de seus gastos, a fim de compreender de onde o dinheiro vem e para onde ele vai em sua empresa. Com base nisso, é possível tomar decisões objetivas e pontuais.

6. Atualize diariamente o fluxo de caixa

De nada adianta implementar o fluxo de caixa se ele não refletir, em tempo real, como estão as suas finanças. Assim, é preciso inserir em sua cultura organizacional a necessidade de conferência e inclusão diária das informações no fluxo de caixa.

Para isso, defina em sua rotina o momento para a conferência do fluxo de caixa, dos extratos bancários e dos relatórios de pagamentos de recebimentos, bem como do cruzamento dos registros de todas essas informações.

7. Fique de olho nos estoques

Caso a sua empresa tenha estoques, é preciso estar constantemente atento, ou seja, observar informações de quanto tempo levam os itens desde a sua compra até a saída de sua empresa. Aqui a palavra-chave é equilíbrio, uma vez que mercadorias paradas podem significar prejuízos e a falta delas também poderá impactar negativamente seu negócio.

Com um controle de caixa em dia e bastante detalhado você poderá compreender como estão as suas vendas, quais produtos são mais comercializados e os que levam mais tempo para saírem do estoque.

Com base nisso você poderá criar diferentes estratégias de venda, envolvendo preços diferenciados, descontos e condições especiais para evitar mercadoria parada em sua companhia. Você também saberá quais são mais rapidamente consumidos e poderá fazer a sua reposição, evitando ficar sem produtos para seus clientes.

8. Tome cuidado com os cheques pré-datados

Os cheques pré-datados, tanto emitidos quanto recebidos, merecem cuidado especial na hora de elaborar o fluxo de caixa. É preciso ter muita atenção no registro destes, pois só deve ocorrer no momento em que forem efetivamente descontados no banco.

Para evitar problemas com os cheques procure fazer um controle à parte, tanto daqueles que você emite quanto daqueles que recebe. Assim, quando o mesmo for descontado, você poderá afetar o seu controle de fluxo de caixa, seja pela entrada ou saída de dinheiro.

9. Categorize as receitas e despesas

Agora que você já sabe tudo de fluxo de caixa, que tal utilizá-lo como uma ferramenta gerencial? Para isso, é só criar categorias de entradas e saídas separando os elementos por tipo. Assim, você poderá conhecer, por exemplo, quem são os seus principais clientes, o valor do ticket médio e outros dados importantes para a sua gestão.

Já as saídas indicarão quais os seus principais gastos, o que permite entender como sua empresa está empregando o dinheiro, se é necessário algum corte, substituição ou diminuição que pode ser feito, entre outras estratégias para melhorar os seus resultados.

10. Analise e corrija o planejamento financeiro

Além de detalhar e conhecer receitas e despesas, você também poderá fazer o seu planejamento financeiro e, caso necessário, corrigi-lo. Com isso, será mais fácil novamente colocar a sua empresa no curso correto.

Aqui é possível utilizar a projeção do fluxo de caixa que mostra, de maneira antecipada, como estarão as finanças da empresa, suas entradas e saídas de recursos. Além disso, verifica-se se haverá folgas financeiras ou necessidade de capital, o que permite a busca por melhores taxas, condições e formas de pagamento.

Nesse post você compreendeu como organizar o fluxo de caixa da sua empresa. Foi possível compreender o que é essa ferramenta e como ela deve ser implementada em sua companhia. Além disso, foram destacados cuidados como o detalhamento, registro diário e atenção aos estoques.

Por fim, foi verificado que você deve ter um cuidado especial com os cheques pré-datados e que o fluxo de caixa pode ser usado como uma verdadeira ferramenta gerencial, permitindo o detalhamento de suas entradas e saídas e podendo ser utilizado no seu planejamento financeiro.

Gostou de nosso conteúdo sobre fluxo de caixa? Que tal compartilhar esse post e ajudar outros empreendedores a ter sucesso em suas finanças?

Sobre o autor

Grupo Fatos

Com mais de 25 anos de mercado e um atendimento de excelência, nos tornamos um Centro de Apoio ao Empreendedor, estruturado em unidades de negócios de diferentes áreas (Contabilidade, Consultoria, TI, Financeiro e RH), com soluções corporativas que permitem potencializar o futuro de nossos clientes.

Deixar comentário.

Share This