Crescimento

Como aplicar o modelo Canvas no plano de negócios?

Escrito por Grupo Fatos

Para fazer o gerenciamento empresarial, é fundamental contar com as ferramentas adequadas. E, para isso, uma das abordagens disponíveis é o Business Model Canvas — ou simplesmente Canvas.

Esse método consiste em realizar uma apresentação visual dos aspectos mais importantes do empreendimento ou de um projeto. A definição dos elementos de maior relevância permite uma visualização simples e dinâmica, o que torna possível, inclusive, usar o Canvas no plano de negócios.

Os principais benefícios do modelo incluem o aumento de visibilidade, a facilidade de comunicação e a chance de atuar de forma estratégica nas possibilidades mais vantajosas. De um jeito descomplicado, o documento torna-se ainda mais completo.

Para saber como usar o Canvas no plano de negócio e obter os melhores resultados, acompanhe nosso artigo. Boa leitura!

Entenda o papel do Canvas

Antes mesmo de fazer a aplicação do modelo no plano de negócios, é importante compreender que se trata de uma ferramenta de apoio. Dessa forma, as suas características servem para transformar o entendimento sobre o planejamento, que, muitas vezes, é extenso e um pouco complicado.

Assim, aplicar o Canvas não significa abrir mão do plano tradicional e, sim, mudar a sua apresentação. A ideia é criar um modo diferente de trazer as informações previstas para o estabelecimento, pois isso gera dinamismo e facilita a execução dos diversos elementos estratégicos.

Além de tudo, a função dele é evitar que o conhecimento seja perdido em um documento extenso e pouco prático. Ao final, a gestão entenderá, exatamente, quais são as características do empreendimento.

Conheça os quatro pilares do modelo

Para executar o Canvas no plano de negócios, é necessário reconhecer que há quatro pilares de sustentação da abordagem: infraestrutura, oferta, cliente e finanças. A oferta, por exemplo, corresponde ao que será oferecido ao consumidor. Trata-se da identificação do serviço ou do produto apresentado, com a proposta de valor incluída.

Já o pilar de cliente identifica o público-alvo e as suas principais características. É interessante definir a segmentação desejada, como qual é o nicho que será trabalhado. Como todas as ações dependem do público de interesse, esse é um dos pilares mais importantes.

A infraestrutura corresponde a todos os elementos necessários para garantir que a oferta seja consolidada. É preciso pensar em questões logísticas e de processos, de modo que tudo funcione como o esperado.

Por fim, o pilar financeiro se relaciona a todos os custos, ganhos e margens para que o negócio se sustente.

Utilize os nove quadrantes

Os quatro pilares são grandes grupos que servem para dar a sustentação. Contudo, para aplicar o Canvas no plano de negócios de forma completa, é preciso utilizar os nove campos desse método.

Eles devem ser preenchidos conforme o planejamento do empreendimento e servem para mostrar quais são os principais pontos de impacto. Veja quais são os quadros que merecem atenção.

Proposta de valor

Para conseguir se consolidar no mercado, uma empresa deve fazer uma oferta de valor para os clientes. Por isso, o Canvas exige a definição de quais elementos serão oferecidos aos consumidores e as soluções. Quanto mais diferenciado for esse aspecto, melhores são as chances de sucesso.

Atividades-chave

Para conseguir executar a proposta, algumas atividades têm de ser colocadas em prática. Certas ações têm máximo impacto nos resultados e são consideradas estratégicas.

Uma empresa pode não depender da manufatura, mas estar diretamente ligada à divulgação e venda, por exemplo. É fundamental identificar quais são os pontos que exigem maior atenção para o sucesso.

Recursos-chave

Sem os recursos necessários, as atividades não poderão ser executadas. Portanto, o Canvas no plano de negócios inclui quais são os elementos indispensáveis para atender ao mercado e consolidar a oferta de valor.

Os recursos podem ser físicos, como é o caso do ambiente de produção e do maquinário, ou intelectuais, como o conhecimento e a experiência.

Parceiros-chave

Dificilmente o negócio será autossuficiente. Muitas vezes, é preciso contar com a ajuda de parceiros, como os fornecedores de matérias-primas e até serviços necessários para a execução de tarefas.

A identificação dos parceiros-chave permite conhecer quais são os principais elementos adquiridos e quais são suas origens. Além de tudo, é um jeito de evitar a concentração em apenas um fornecedor.

Segmentos de clientes

O negócio só terá sucesso se puder convencer o público da sua proposição de valor. Portanto, é indispensável definir os segmentos a atingir, identificando nichos que se relacionem à proposta de valor e cujas necessidades sejam atendidas pelo produto ou serviço.

Relacionamento com o cliente

No mercado atual, é essencial ir além das vendas. Para consolidar bons efeitos, o empreendimento deve se preocupar em se relacionar com os consumidores.

Esse quadrante do Canvas no plano de negócios deve ser pensado nos objetivos e no segmento de clientes. As interações podem ser automáticas, presenciais ou mistas, além de serem diferentes para cada área.

Canais

Para atingir o segmento de compradores da maneira certa é fundamental utilizar os canais ideais. Em primeiro lugar, isso significa identificar quais são as formas de contato preferenciais e que trazem melhores resultados.

Contudo, o quadrante também se relaciona à logística, pois é essencial compreender o aspecto da distribuição e como ocorre a chegada do produto ou serviço até os consumidores.

Estrutura de custos

Para que a empresa consiga se manter no mercado, ela precisa ter custos controlados e que eles sejam menores que os seus ganhos. A matriz de gastos, portanto, deve ser muito bem conhecida.

É fundamental identificar despesas fixas e variáveis, quais são as atividades e os recursos mais caros e os principais gargalos. Desse jeito, é possível evitar desperdícios e aumentar as chances de sucesso.

Fontes de receita

Não menos importante, o último elemento inclui quais são as formas de obter faturamento. A venda de serviços e produtos é o principal jeito, mas é recomendado entender como isso acontece.

Também é o momento de compreender a relação do valor agregado, a precificação e as outras formas de gerar renda passiva, como o licenciamento ou o franqueamento.

Realize uma boa organização visual

Um dos pontos fortes de aplicar Canvas no plano de negócios é poder ter um mapa visual completo. Para aproveitar esse benefício, é indispensável cuidar da organização visual.

O recomendado é ter um mural com uma matriz dos nove quadrantes. Para trazer dinamismo, preencha-os com a ajuda de post-its, que podem ser modificados sem dificuldade.

Ao final, faça com que o resultado fique à vista dos colaboradores e seja facilmente acessado. Isso reforçará os aspectos importantes e garantirá o alinhamento de atuação.

Utilizar o Canvas no plano de negócios é uma maneira de facilitar sua compreensão e atuar de forma ainda mais estratégica. Com essas dicas, você conseguirá fazer a aplicação de um jeito prático e muito vantajoso!

Para que não restem dúvidas, baixe gratuitamente o nosso guia do Canvas e tire o máximo dessa possibilidade.

Sobre o autor

Grupo Fatos

Com mais de 25 anos de mercado e um atendimento de excelência, nos tornamos um Centro de Apoio ao Empreendedor, estruturado em unidades de negócios de diferentes áreas (Contabilidade, Consultoria, TI, Financeiro e RH), com soluções corporativas que permitem potencializar o futuro de nossos clientes.

Deixar comentário.

Share This