Crescimento

7 desafios contábeis para empresas de transporte

Escrito por Grupo Fatos

Todas as empresas enfrentam dificuldades relativas à contabilidade. No entanto, existe um segmento específico que se ressente mais com essas dificuldades. Trata-se do setor de transporte  ou seja, das empresas que transportam cargas, pessoas ou valores.

O gasto com combustível, por exemplo, pode se tornar um grande entrave para uma boa administração financeira e uma boa gestão contábil. Veja abaixo 7 desafios contábeis para empresas de transporte e saiba como driblá-los!

1. A forte burocracia

Um dos primeiros desafios contábeis para empresas de transporte é a burocracia. A contabilidade requer a emissão de diferentes documentos, certificações digitais e os trâmites nos órgãos públicos.

Para prestar um atendimento qualificado aos aspectos burocráticos, uma empresa de transporte precisa contar com uma equipe de profissionais dedicados e capacitados, que estejam efetivamente aptos para cumprir as regras estabelecidas. É necessário atualizar periodicamente a documentação e obter licenças, bem como apoios legais.

2. As questões trabalhistas

Na verdade, as questões relacionadas aos direitos dos trabalhadores fomentam dissídios judiciais e ônus altos para boa parte das empresas, independentemente do ramo em que atuam. Assim, as empresas de transporte precisam ficar atentas à folha de pagamento, que comporta, além dos salários, os encargos trabalhistas e as indenizações.

Os adicionais noturnos e as horas extras, por exemplo, podem se tornar um problema trabalhista se não forem devidamente calculados. Geralmente, empresas de transporte trabalham 24 horas por dia para garantir a entrega pontual de seus pedidos.

As transportadoras de carga, por exemplo, precisam, algumas vezes, que os caminhoneiros dirijam durante a noite para agilizar a entrega ao cliente. Já aquelas que transportam valores, além de precisarem de profissionais bem treinados, também devem tomar o máximo de cuidado com a sua segurança.

Uma empresa de transporte precisa manter seus funcionários bem remunerados e satisfeitos para evitar conflitos judiciais ou mesmo administrativos. É fundamental realizar cursos de capacitação para o cumprimento das normas, o que geralmente envolve gastos adicionais.

3. A rotina administrativa

Enfrentar a rotina administrativa é certamente um dos grandes desafios contábeis para empresas de transporte, pois existem muitos cálculos a fazer  entradas e saídas, fluxo de caixa, receitas, faturamento, contas a pagar, contas a receber, tributação — e tudo precisa ser feito com rapidez, considerando que os veículos não param de circular.

É necessário tomar cuidados com as entradas e saídas de pedidos, os orçamentos, os sinistros (acidentes, assaltos), problemas de manutenção, interrupções e muitas outras coisas.

As informações podem chegar e sair com muita rapidez. Os trabalhadores precisam de qualificação para atender bem. Os prazos de entrega geralmente têm problemas e é bastante complexo ajustar o prazo ideal com o prazo possível e real.

4. A manutenção de frotas

Quanto maior a frota, maiores serão os desafios contábeis para empresas de transporte. Os veículos da frota precisam apresentar documentação regularizada sempre. Entre esses documentos existem o IPVA, o seguro obrigatório, o licenciamento e outros. As multas precisam ser pagas  além disso, elas devem ser evitadas.

Outras questões associadas à rotina contábil administrativa envolvem a manutenção dos veículos, sejam eles utilitários, carros pequenos, caminhões ou carros-fortes. A manutenção contempla os pneus, a parte elétrica, a parte mecânica, o sistema de rastreamento, a blindagem e assim por diante.

A depreciação é outro fator importante que deve ser avaliado. Cada modelo de veículo tem um ritmo de depreciação específico e, quanto mais usado ou quanto menos cuidados forem aplicados nele, o ritmo de depreciação tende a aumentar.

Para evitar problemas desse tipo, recomenda-se que a empresa troque os veículos a cada 5 anos, pois essa medida ajuda a controlar melhor a contabilidade do negócio.

5. A logística

Os gastos logísticos têm muita relação com a contabilidade. O desgaste no percurso de um local a outro, bem como os pedágios de custos elevados devido às grandes rodagens pelo Brasil são exemplos de como a logística influencia decisivamente no controle contábil de uma empresa.

Outro aspecto da logística a ser tratado é a necessidade de contratar seguros, pois a criminalidade nas rodovias do Brasil e a possibilidade de acidentes devido à infraestrutura deficiente de muitas estradas (ou mesmo devido a falhas do motorista) são uma realidade cruel.

Existem seguros de cargas, de passageiros, de viagens e muitos outros, que devem ser avaliados e contratados conforme as necessidades da empresa de transporte. Na verdade, a não contratação de seguros pode resultar em processos judiciais que custarão milhões de reais à empresa, desestruturando as finanças corporativas.

6. A infraestrutura

Embora a infraestrutura seja um componente da logística, vale a pena dedicar um tópico a ela. No Brasil, a infraestrutura rodoviária é precária em diferentes regiões, dificultando a acessibilidade e limitando o desenvolvimento econômico.

É necessário redistribuir a infraestrutura, de modo que não só as rodovias fiquem sobrecarregadas com a responsabilidade de transporte. É necessário considerar a possibilidade de outros modais de transporte, como o ferroviário (as locomotivas e os trens precederam, historicamente, nas longas viagens, os caminhões, os ônibus e as carretas).

Outro modal que vale destaque é o aquaviário ou o marítimo, cujos veículos se deslocam pela água de rios e mares. A navegação de cabotagem é um exemplo de como um modal menos tradicional pode funcionar em determinadas situações.

Para a contabilidade, repensar os modais de transporte é fundamental, já que escolhendo o melhor modal para determinado transporte, os custos tendem a cair, evitando gastos que nem sempre têm uma compensação à altura.

7. Os custos

Finalmente, vale falar que os gastos com transporte estão entre os desafios contábeis para empresas de transporte mais complexos e difíceis de serem resolvidos, sendo que alguns já foram citados ao longo do texto: combustível, manutenção de veículos, troca de pneus, salário e encargos dos trabalhadores, depreciação, IPVA/seguro obrigatório, lubrificantes, lavagem, pedágio, remuneração do capital e outros.

O contabilista precisa conhecer a fundo os custos para só depois definir estratégias visando reduzi-los e aumentar os lucros, sem esquecer a qualidade dos serviços e produtos, nem as necessidades e as expectativas dos clientes.

Os custos e as despesas podem ser fixos ou variáveis e é necessário saber diferenciá-los para um melhor controle financeiro e contábil. Os gastos fixos não dependem do volume de serviços prestados ou produtos vendidos, como aluguel da sede da empresa, licenciamento, seguros, remuneração do capital, mão de obra indireta.

Os gastos variáveis mudam conforme a quantidade de serviços prestados ou produtos vendidos. Quando aumentam as vendas e os serviços, aumentam também os custos e as despesas. Quando não há vendas nem prestação de serviços, os gastos são zerados: combustível, mão de obra direta, pneus, lavagem e outros deixam de existir.

Agora que você já conhece os principais desafios contábeis para empresas de transporte, aproveite para assinar a nossa newsletter e ficar por dentro de outras novidades sobre contabilidade e finanças!

Sobre o autor

Grupo Fatos

Com mais de 20 anos de mercado e um atendimento de excelência, nos tornamos um Centro de Apoio ao Empreendedor, estruturado em unidades de negócios de diferentes áreas (Contabilidade, Consultoria, TI, Financeiro e RH), com soluções corporativas que permitem potencializar o futuro de nossos clientes.

Deixar comentário.

Share This